Search

Feedback – quantos "comprimidos" por dia?

Em muitos dos projetos que estamos a desenvolver com os nossos clientes, o feedback é um dos temas mais falados e simultaneamente um dos menos trabalhado no passado.

Durante anos, os líderes e as equipas olharam para o feedback como um momento formal, pesado, de cariz avaliativo e como indicador da identificação de um comportamento ou atitude que devia ser alterado/anulado.

Muitas vezes, este feedback surgia no processo de avaliação de desempenho e, contrariamente ao pretendido, tinha um peso mais negativo do que positivo – a verdade é que o nosso cérebro retém com maior facilidade o “mau” em detrimento do “bom”.


Hoje, acreditamos que há toda uma cultura de feedback que deve ser incrementada junto dos colaboradores: tornar o feedback como um instrumento potenciador da construção pessoal e profissional de cada um. Quanto mais olharmos para o feedback como algo positivo, construtivo, facilitador de aprendizagem e estimulante ao nível do desenvolvimento, maior a nossa capacidade de, não só darmos feedback, como de o recebermos.


Mas como dar feedback? Qual a frequência? Todos os dias?

Sim! A resposta à nossa pergunta do título deste artigo é: “os mais possíveis”.

Se no meu dia-a-dia tiver em mim esta orientação para o feedback, vou estar focada no outro, não com o objetivo de “apontar o dedo”, mas sim com a vontade de fazer parte do seu caminho de desenvolvimento e ajudá-lo a refletir sobre uma determinada situação e/ou celebrar algo que tenha sido realizado de uma forma positiva.


E como receber? Se olharmos para o feedback como um “presente” que alguém nos está a dar, é agir da mesma forma. Na nossa vida, nem sempre gostamos de todos os presentes que recebemos. Mas em todos eles, agradecemos.

E no feedback é igual: há feedbacks que nos fazem sentir especiais, que nos reforçam positivamente os comportamentos que temos diariamente. Esses são fáceis de agradecer.

E também temos aqueles feedbacks que pretendem identificar algo que deva ser melhorado. Estes “custam” um pouco mais e só depende de nós, a forma como olhamos para eles. Da mesma forma são um “presente” – um presente para pensarmos efetivamente nas nossas ações e percebermos o que podemos fazer de diferente para ajustar as nossas atitudes.


Na GO Coaching trabalhamos com os nossos clientes (empresas e particulares) as melhores metodologias de feedback, bem como todas as questões de comunicação inerentes. Se quiser potenciar esta ferramenta, em si e na sua equipa, contacte-nos. Estamos disponíveis para ajudar a aumentar a dosagem :).