top of page
Search

Emoções no trabalho? Fujam, ou talvez não!

Updated: Mar 30, 2023

Nos últimos tempos tenho pensado no papel das emoções na nossa vida no geral e na nossa vida profissional em particular.


Este artigo pode ter uma visão demasiado pessoal e ter uma óptica em que muitos não se revejam, mas irei tentar, para quem vive este tema como eu, provocar para que se permitam mudar, até porque, parece-me, não andamos a fazer tudo bem.


Vivi, ou vivo, com a ideia de que quem mostra as suas emoções, no geral, está a demonstrar demasiadas fragilidades.

É uma fraqueza exposta ao mundo que importa fingir não existir e importa que ninguém tenha acesso.


A auto-gestão é tudo, e saber controlar as emoções é uma das melhores ferramentas do mundo.

Preocupamo-nos com a imagem, com o parecermos muito estruturados e demonstrarmos uma saúde mental sólida.


Claro que uma parte de mim se mantém alinhada com esta ideia, no entanto estamos a falar de pessoas para pessoas. Somos da área da psicologia e dos recursos humanos mas parece que queremos lidar apenas com pessoas que transmitam segurança, confiança e estabilidade e isso nem sempre é possível.


A nossa capacidade de demonstrarmos fraquezas e fragilidades vai gerar em nós e nos outros uma humanização nas relações.

Para qualquer pessoa será mais fácil assumir uma fragilidade e pedir ajuda se souber que do lado de lá está alguém que faz o mesmo. Que do lado de lá está uma pessoa que não se coloca na posição de super herói e de guru.


Precisamos cada vez mais de desenvolver a nossa capacidade de demonstrar que temos medos, inseguranças, fragilidades. Que há temas no trabalho e em casa que nos podem deixar tristes e desorientados.

Precisamos cada vez mais de sermos capaz de estar com as nossas emoções e de dar espaço aos outros para fazerem o mesmo.


Se só estivermos disponíveis para emoções positivas, para estruturas psicológicas inabaláveis só estamos, no limite, disponíveis a robots. E, se a vida for para ser vivida só no plano racional desconectando das emoções, nem tudo vai bem. Concorda?


Se sente que quer explorar mais a relação que tem com as suas emoções e que quer moderar o raciocínio lógico que o distancia de sentir, fale connosco!



Comments


bottom of page